|| Resenha || O Príncipe dos Canalhas

24 de novembro de 2015

Título: O Príncipe dos Canalhas
Título Original: Lord of Scoundrels
Série: Scoundrels Livro: 3
Autora: Loretta Chase
Gênero: Romance de Época
Editora: Arqueiro
Formatos: Capa Comum / Ebook
Ebook
Avaliação: 

Sinopse: Sebastian Ballister é o grande e perigoso marquês de Dain, conhecido como lorde Belzebu: um homem com quem nenhuma dama respeitável deseja qualquer tipo de compromisso. Rejeitado pelo pai e humilhado pelos colegas de escola, ele nunca fez sucesso com as mulheres. E, a bem da verdade, está determinado a continuar desfrutando de sua vida depravada e pecadora, livre dos olhares traiçoeiros da conservadora sociedade parisiense. Até que um dia ele conhece Jessica Trent...Acostumado à repulsa das pessoas, Dain fica confuso ao deparar com aquela mulher tão independente e segura de si. Recém-chegada a Paris, sua única intenção é resgatar o irmão Bertie da má influência do arrogante lorde Belzebu.Liberal para sua época, Jessica não se deixa abater por escândalos e pelos tabus impostos pela sociedade – muito menos pela ameaça do diabo em pessoa. O que nenhum dos dois poderia imaginar é que esse encontro seria capaz de despertar em Dain sentimentos há muito esquecidos. Tampouco que a inteligência e a virilidade dele pudessem desviar Jessica de seu caminho.Agora, com ambas as reputações na boca dos fofoqueiros e nas mãos dos apostadores, os dois começam um jogo de gato e rato recheado de intrigas, equívocos, armadilhas, paixões e desejos ardentes.

Comentando...

Ultimamente isso tem acontecido direto comigo: comprar um livro achando que é uma coisa e ser surpreendida. Achei que seria, com o perdão do termo, uma “Safadeza de Época”. O título me enganou, e eu adorei. Que leitura gostosa!


Sebastian Leslie Guy de Ath Ballister (Ufa!), ou Lorde Dain, como é chamado durante todo o livro, teve uma infância difícil demais. Abandonado pela mãe e escorraçado pelo pai, foi criado em um internato para meninos desde os 8 anos de idade. Lá, aprendeu a se defender sozinho dos colegas, a deixar de sentir saudades e a deixar de ter sentimentos. Não que ele tenha se tornado um insensível, ele só se tornou... duro.

“ Nos livros ilustrados, os pais sorriam para os filhos e os abraçavam e os beijavam. Às vezes sua mãe fazia isso, quando estava de bom humor, mas o mesmo não acontecia com o pai.”

Ele nunca se achou um homem bonito, e com atrativos positivos. Sempre pagou para ter o que queria. Depois que o pai morreu e ele herdou o título de Marquês de Dain. Acabou sendo apelidado carinhosamente de Lorde Belzebu. Sua dureza, sua aversão por qualquer tipo de compromisso e suas depravações, o tornaram famoso. Ele, com tudo o que sofreu, aprendeu que o dinheiro era a forma mais fácil e rápida de ter o que queria, e não se envergonhava de utilizar dessa facilidade. As coisas corriam bem para ele dessa forma, até que em um certo dia, Lorde Belzebu conhece Jessica Trent, irmã de Sir Bertram, a quem Dain estava desvirtuado.

Jessica é uma dama. Mas não uma dama qualquer. Criada junto com os primos, possuía as artimanhas que não condiziam com as mulheres. 27 anos, solteirona convicta por opção, tinha um bom raciocínio, opinião própria, um temperamento quente e um sex appeal característico das mulheres de sua família. Era uma Femme Fatalle. Nem Lorde Belzebu seria imune aos seus encantos.

“ Por um momento desconcertante, Lorde Dain teve a impressão de que alguém havia acabado de enfiar sua cabeça na latrina. Seu coração começou a bater mais forte e sua pele ficou arrepiada, levemente suada...”

Mas o que Jessica não esperava, era que ela também se encantaria por esse devasso.

“Dain era artilharia pesada, pensou ela. [...] Cabelos negros como carvão, olhos negros e ousados e um nariz enorme e avassalador, além da sensualidade taciturna daquela boca. [...] Não estava preparada para um garanhão: grande e de proporções esplendidas, vigorosamente musculoso, se o que suas calças justas delineavam a realidade.”
Esses dois são espetaculares. Se desafiam o tempo inteiro, se provocam, se sentem atraídos, mas resistem bravamente. Até onde podem. Jessica demonstra seu interesse, mas ele desconfia. O problema de Dain é que ele não consegue acreditar que alguém, uma dama, em sua sã consciência, pode estar interessada por ele. Dain esta acostumado com prostitutas, e o interesse de uma dama o faz perder o rumo.

O livro é quente. Não só no sentido sexual, mas por causa das disputas que os protagonistas travam. Eles se amam e se odeiam, se é que isso seja possível. Dain, mesmo sendo um tanto bronco, me deixou apaixonada desde o inicio ( tenho um fraco por personagens brutamontes...) e Jessica é maravilhosa.
É uma história dinâmica, com ótimos diálogos, engraçada, e emocionante em alguns momentos. Os dois são marcantes. Foi mais do que merecido o prêmio RITA de Melhor Romance Histórico. Amei a leitura.
O único problema é aquele velho sentimento de que um livro tão bom não deveria ter fim.

:::::Quote Favorito:::::


Sobre a série...
    "O Principe dos Canalhas" faz parte da série Scoundrels (Canalhas). Na realidade ele é o terceiro livro da série. Por contar histórias de casais distintos, não houve problema em ser lançado primeiro. O próximo livro  já foi lançado é "O Ultimo dos Canalhas". Os dois pela Editora Arqueiro.




Nenhum comentário

Postar um comentário