II Resenha II A Guerra que Salvou a Minha Vida

21 de junho de 2017

Título: A Guerra que Salvou a Minha Vida
Gênero: Romance / Ficção
Autor: Kimberly Bradley
Editora: Darkside
Formato: Capa Comum
Avaliação: 
Sinopse: : A Guerra que Salvou a Minha Vida é um daqueles romances que você lê com um nó no peito, sorrisos no rosto e – entre um parágrafo e outro – lagrimas nos olhos. Uma obra sobre as muitas batalhas que precisamos vencer para conquistar nosso lugar no mundo. Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando. Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor. Combinando a ternura de Em Algum Lugar Nas Estrelas, outro título da coleção DarkLove, com a realidade angustiante de O Diário de Anne Frank, A Guerra que Salvou a Minha Vida apresenta uma perspectiva da Segunda Guerra Mundial vista pelos olhos de uma menina que se transforma em refugiada no seu próprio país. Mais uma oportunidade perfeita para emocionar corações de todas as idades e relembrar os valores do companheirismo e da amizade em todos os momentos da nossa vida. Vencedor do Newbery Honor Award, primeiro lugar na lista dos mais vendidos do New York Times e adotado em diversas escolas nos Estados Unidos. “Dolorosamente adorável.” – The Wall Street Journa.
Comentando...


Em A Guerra que Salvou a Minha Vida, o enredo irá se passar durante a Segunda Guerra Mundial, e nós vamos ter como protagonista a pequena Ada e sua história. 

Ela e seu irmãozinho Jamie, vivem em Londres com a mãe, em um pequeno apartamento. Ada tem entre 10 e 11 anos, e Jaime uns 6. Porém diferente do irmão, Ada nunca saiu do apartamento e não conhece nada além do que vê pela janela. 


Ada nasceu com o pé torto, e por esse motivo sua mãe se envergonha da filha e a maltrata com se fosse a culpada por ter nascido deficiente.

Ada não sabe ler e muito menos andar, até que resolve aprender escondida para tentar que a mãe se orgulhe dela e para conseguir fugir com Jaime, que trás a notícia que as crianças da escola serão enviadas ao interior para a própria proteção, já que Londres está sobre ameaça de bombardeio. 



Porém sua mãe não permitir que ela seja enviada com as outras crianças, pois pra ela quem irá querer cuidar de uma aleijada?
... Claro que não. Estão mandando as crianças para morar com gente boa. Quem é que ia querer você? Eu respondo: Ninguém. Gente boa não quer ficar olhando esse pé.
"Você não pode ir embora. Nunca vai poder. Está presa aqui, bem aqui nesta casa, com ou sem bombas.”


Mas de uma coisa Ada é certa, ela jamais abandoaria o seu irmão, que criou desde que se entende por gente. 

Evacuados para outra cidade, os irmãos são dados a Srta. Smith para serem cuidados, mesmo ela insistindo que nunca havia cuidado de crianças.

Em uma nova casa com novos hábitos, Ada e Jamie irão perceber que nem tudo seria como eles pensavam, mas que mesmo com novas dificuldades a vida pode lhe apresentar um novo caminho, que pode até mesmo ser cavalgado. 



Ada é uma menina inteligente, mas como toda criança tem certas atitudes que nos perguntamos: por que ela está fazendo isso? Eu preciso bater um papo muito sério com essa garota! 

Mas também conseguimos nos colocar no lugar dela: em uma nova casa, tendo que aprender a confiar e a acreditar em outra pessoa, e entender que Susan não é como sua mãe. Ada irá descobrir que pode ter grandes amigos e fazer muito além do que ela um dia sonhou. 
"Era como se eu tivesse nascido ali na vila. Como se tivesse nascido com os dois pés bons. Como se fosse realmente importante e amada.”

Uma história de coragem e superação, que nos incentiva a encaramos nossos medos e lutarmos por aquilo que acreditamos e principalmente amamos.


:::::Quote Favorito:::::






Nenhum comentário

Postar um comentário